Revista de Historia Moderna

La recaudación de impuestos en Río de Janeiro: la configuración del contrato de diezmos de la Aduana (siglo XVIII)

Valter Lenine Fernandes, Helena de Cassia Trindade Sá

DOI: https://doi.org/10.14198/RHM2021.39.13

Resumen

Este artículo pretende demostrar cómo se recaudaba el diezmo de la Aduana de Río de Janeiro en el siglo XVIII, en una situación en la que este impuesto sobre la circulación de mercancías se convirtió en la principal fuente de sustento de la administración colonial. A partir de la documentación disponible en el Archivo Histórico de Ultramar y en el Instituto Histórico Geográfico Brasileño de Río de Janeiro, trataremos de analizar las formas utilizadas por la Corona para la más eficaz recaudación del tributo, que se realizaba a través de contratistas privados que pujaban por él en el Consejo de Ultramar o mediante la administración directa de la propia Fazenda Real.


Palabras clave

Siglo XVIII; Impuestos; Contrato; Diezmo; Aduana; Río de Janeiro; Fiscalidad

Referencias

Alencastro, Luiz Felipe de, O Trato dos Viventes: Formação do Brasil no Atlântico Sul, São Paulo, Companhia das Letras, 2000.

Aidar, Bruno, «O Conselho Ultramarino e a arrematação dos contratos da América portuguesa: o caso da capitania de São Paulo, 1723-1760», América Latina en la Historia Económica, 26/1 (2019): e944. https://doi.org/10.18232/alhe.944

Araújo, Luiz Antônio, «Contratos de Direitos e Tributos Régios e o Sistema Colonial: I metade do Setecentos», in VIII Congresso Brasileiro de História Econômica e 9ª Conferência Internacional de História de Empresas, Campinas, ABPHE, 2009: 1-22. http://www.abphe.org.br/viii-congresso-brasileiro-de-historia-economica-e-9-conferencia-internacional-de-historia-de-empresas [data de consulta: 31/05/2021]

Bicalho, Maria Fernanda, «As câmaras municipais no Império português: o exemplo do Rio de Janeiro», Revista Brasileira de História, 18/36 (1998): 251-280. https://doi.org/10.1590/s0102-01881998000200011

Bicalho, Maria Fernanda, A cidade e o império: o Rio de Janeiro no século XVIII, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

Bicalho, Maria Fernanda, «Entre a Teoria e a Prática: Dinâmicas Político-Administrativas em Portugal e na América portuguesa (Séculos XVII e XVIII)», Revista de História, 167 (2012): 75-98. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i167p75-98

Boxer, Charles, O império marítimo português 1415-1825, São Paulo, Companhia das Letras, 2002.

Carrara, Angelo Alves, Receitas e despesas da Real Fazenda no Brasil: século XVII, Juiz de Fora, Editora UFJF, 2009.

Carrara, Angelo Alves e Sánchez Santiró, Ernest, «Historiografia Econômica do Dízimo Agrário na Ibero-América: Os Casos do Brasil e Nova Espanha, século XVIII», Estudos Econômicos, 43/1(2013):167-202. https://doi.org/10.1590/s0101-41612013000100007

Costa, Leonor Freire e Rocha, Maria Manuela, «Remessas do ouro brasileiro: organização mercantil e problemas de agência em meados do século XVIII», Análise Social, 42/182 (2007): 77-98.

Cruz, Miguel Dantas da, Um Império de Conflitos: O Conselho Ultramarino e a Defesa do Brasil, Lisboa, ICS-Imprensa de Ciências Sociais, 2015.

Demetrio, Denise Vieira, Senhores governadores: Artur de Sá e Menezes e Martim Correia Vasques. Rio de Janeiro, c. 1697–c. 1702, Tese de Doutorado, Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2014.

Edmundo, Luís, O Rio de Janeiro no tempo dos Vice-reis: 1763-1808, Brasília, Senado Federal, 2000.

Ellis, Myriam, «Comerciantes e contratadores do passado colonial: uma hipótese de trabalho», Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, 24 (1982): 97-122. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901x.v0i24p97-122

Falcon, Francisco Calazans, «Pombal e o Brasil», in José Tengarrinha (org.), História de Portugal, Bauru/ São Paulo/Lisboa, EDUSC/UNESP/Instituto Camões, 2001: 149-166.

Fernandes, Valter Lenine, Os contratadores e o contrato da dízima da Alfândega da cidade do Rio de Janeiro (1726-1743), Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2010.

Fernandes, Valter Lenine, Império e colonização: Alfândegas e tributação em Portugal e no Rio de Janeiro (1700-1750), Tese de Doutorado em História Econômica, São Paulo, Universidade de São Paulo, 2019.

Figueiredo, Luciano, «Protestos, revoltas e fiscalidade no Brasil colonial», LPH Revista de História, 5 (1995): 61-92.

Figueiredo, Luciano, «Pombal cordial. Reforma, fiscalidade e distensão política no Brasil 1700-1777», in Francisco Falcon e Claudia Rodrigues, A época pombalina no mundo luso-brasileiro, Rio de Janeiro, Editora FGV, 2015: 125-174.

Gallo, Alberto, «Racionalidade fiscal e ordem colonial», in Colóquio Internacional Economia e Colonização na Dimensão do Império Português, São Paulo, 30 de setembro – 3 de outubro de 2008/Mesa 1. Fiscalidade e Poder Imperial, 30 de setembro de 2008, s.p.

Madeira, Mauro de Albuquerque, «Contratadores de tributos no Brasil colonial», Cadernos Aslegis 6 (1998): 98-112.

Magalhães, Joaquim Romero, «A Fazenda», in José Mattoso (dir.), História de Portugal: Vol. III: No alvorecer da modernidade (1480-1620), Lisboa, Estampa, 1997: 89-105.

Mauro, Frédéric, Nova História e Novo Mundo, São Paulo, Perspectiva, 1969.

Mello e Paiva, André Filippe de, O império da fiscalidade: um estudo serial das conjunturas fiscais do Atlântico português (1720-1807), Dissertação de Mestrado em História Econômica, São Paulo, Universidade de São Paulo, 2016.

Mendonça, Marcos Carneiro, O Marquês de Pombal e o Brasil. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1960.

Monteiro, Nuno Gonçalo, D. José I na sombra de Pombal, Rio de Mouro, Círculo do livro, 2006.

Osório, Helen, «As elites econômicas e a arrematação dos contratos reais: o exemplo do Rio Grande do Sul (século XVIII)», in João Fragoso, Maria Fernanda Bicalho e Maria de Fátima Gouvêa (orgs), O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII), Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001: 107-137.

Pedreira, Jorge Miguel Viana, Os homens de negócio da Praça de Lisboa de Pombal ao Vintismo (1755-1822): diferenciação, reprodução e identificação de um grupo social, Lisboa, Universidade Nova de Lisboa, 1995.

Pesavento, Fábio e Guimarães, Carlos Gabriel, «Contratos e contratadores do Atlântico Sul na segunda metade do setecentos», História, histórias, 1/1 (2013): 72-87. https://doi.org/10.26512/hh.v1i1.10710

Puntoni, Pedro Luis, «A Provedoria-mor: fiscalidade e poder no Brasil colonial», in Ana Paula Torres Megiani, José Manuel Santos Peres e Kalina Vanderlei Silva, O Brasil na monarquia hispânica (1580-1668): novas interpretações, São Paulo, Humanitas, 2014: 59-90.

Sá, Helena de Cassia Trindade de, A Alfândega do Rio de Janeiro: da União Ibérica ao fim da Guerra da Restauração (ca.1580-ca.1668), Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2016.

Sá, Helena de Cássia Trindade de e Fernandes, Valter Lenine, «Alfândega e fiscalidade no Rio de Janeiro (ca. 1580-ca. 1750)», Revista História e Economia, 20 (2018): 71-88.

Sampaio, Antônio Carlos Jucá de, «A economia do império português no período pombalino», in Francisco Falcon e Cláudia Rodrigues (orgs), A ‘época pombalina’ no mundo luso-brasileiro, Rio de Janeiro, Editora FGV, 2015: 31-58.

Sanches, Marcos Guimarães, «Conveniência e Zelo do Real Serviço», in XXIV Simpósio Nacional de História, São Leopoldo, Unisinos, 2007: 1-10.

Silva, André Mansuy-Diniz, «Portugal e o Brasil: A Reorganização do Império, 1750-1808», in Leslie Bethell, (org.), História da América Latina: América Latina Colonial, Volume 1, São Paulo/Brasília, Editora da Universidade de São Paulo/Fundação Alexandre de Gusmão, 2008: 477-518.

Slemian, Andrea, «Entre a corte e a revolução: a atuação de um “negociante” na América sede do Império português», Tempo, 12/24 (2008): 28-53. https://doi.org/10.1590/s1413-77042008000100003




DOI: https://doi.org/10.14198/RHM2021.39.13





Copyright (c) 2021 Valter Lenine Fernandes, Helena de Cassia Trindade Sá

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.