Poder y territorialización en América portuguesa (segunda mitad del siglo XVIII)

Antonio Cesar de Almeida Santos

Resumen

En este trabajo, nuestro objetivo es presentar y discutir algunas de las acciones de la Corona portuguesa realizadas en la segunda mitad del siglo XVIII, que tenían el propósito de institucionalizar la ocupación de sus dominios en América. Tales acciones comprendieron la identificación de territorios, medir distancias entre poblaciones y contar y clasificar la población; también interesó a la Corona instalar municipios en regiones que carecían de este aparato administrativo, de tal modo que, en el plazo de cinco decenas de años, se crearon casi 130 municipios (contra cerca de 90 ya existentes). Así, con base en la documentación administrativa de la época, se verifica que, en la segunda mitad del siglo XVIII, se puso en práctica una política que, con relativo éxito, garantizó la posesión y la integridad del territorio que vino a constituir Brasil.


Palabras clave

América portuguesa; Poblamiento; Siglo XVIII; Aritmética política; Territorio; Pombalismo

Referencias

Aires de Casal, Manuel, Corografia brasílica ou Relação histórico-geográfica do Reino do Brasil, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1945, 2v. [fac-símile da edição de 1817].

Araújo, Renata Malcher, «A urbanização da Amazónia e do Mato Grosso no século XVIII: povoações civis, decorosas e úteis para o bem comum da coroa e dos povos», Anais do Museu Paulista, 20-1 (2012): 41-76. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-47142012000100003

Bellotto, Heloísa Liberalli, Autoridade e conflito no Brasil colonial: o governo do Morgado de Mateus em São Paulo (1765-1775), São Paulo, Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas da Secretaria de Estado da Cultura, 1979.

Bueno, Beatriz Piccolotto Siqueira, «Introdução [ao Dossiê Caminhos da história da urbanização no Brasil-colônia]», Anais do Museu Paulista, 20-1 (2012): 11-40. https://doi.org/10.1590/S0101-47142012000100002

Chaves Júnior, José Inaldo, As “capitanias de Pernambuco” e a construção dos territórios e das jurisdições na América portuguesa (século XVIII), Tese de Doutorado em História, Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminense, 2017.

Cunha, Mafalda Soares da e Nunes, Antonio Castro, «Territorialização e poder na América portuguesa: a criação de comarcas, séculos XVI-XVIII», Tempo, 22-39 (2016): 1-30. http://dx.doi.org/10.20509/tem-1980-542x2016v223902

Davenant, Charles, «De l´usage de l’Arithmétique politique dans le commerce et les finances», em François V. Forbonnais (trad.), Le négotiant anglois ou traduction libre du livre intitule The British Merchant.... Dresde, [s.n.] 1753, t. 1: CLIX-CXCII.

Delson, Roberta Marx, Novas vilas para o Brasil-colônia: planejamento espacial e social no século XVIII, Brasília, Ed. ALVA-CIORD, 1997.

Derntl, Maria Fernanda, «Uma oficina de novidades: a implantação de núcleos urbanos na capitania de São Paulo, 1765-1775», Anais do Museu Paulista, 20-1 (2012): 109-131. https://doi.org/10.1590/S0101-47142012000100005

Fonseca, Cláudia Damasceno, «Funções, hierarquias e privilégios urbanos: a concessão dos títulos de vila e cidade na Capitania de Minas Gerais». Varia História, 29 (2003): 39-51. Disponível em: www.variahistoria.org/edies?tag=Number+29 [consultado em 29 de dezembro de 2017].

Fonseca, Cláudia Damasceno, «Urbs e civitas: a formação dos espaços e territórios urbanos nas Minas setecentistas», Anais do Museu Paulista, 20-1 (2012): 77-108. https://doi.org/10.1590/S0101-47142012000100004

Graça Filho, Afonso de Alencastro, História, Região & Globalização, Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

Jucá Neto, Clóvis Ramiro, A urbanização do Ceará setecentista: as vilas de Nossa Senhora da Expectação do Icó e de Santa Cruz do Aracati. Tese de Doutorado em Arquitetura e Urbanismo, Salvador, Universidade Federal da Bahia, 2007.

Linhares, Miguel Afonso e Ximenes, Expedito Eloísio, «Bando que se lançou a respeito dos índios Jucás: edição e contribuição ao estudo da colonização do Ceará», Filologia e Linguística Portuguesa, 17-2 (2015): 353-384. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v17i2p353-384

Machado, Brasil Pinheiro, «Instantâneos paranaenses: projeção brasileira – a frase de Reclus», A Ordem, X-5 (1930): 131-144.

Martin, Olivier, «Da estatística política à sociologia estatística; desenvolvimento e transformações da análise estatística da sociedade (séculos XVII-XIX)», Revista Brasileira de História, 21-41(2001): 13-34. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-01882001000200002

Martins, Carlos Moura, «A aplicação da ciência à política do território na transição do século XVIII para o século XIX» em Ana Cristina Araújo e Fernando Taveira da Fonseca (Coords.), A universidade pombalina: ciência, território e coleções científicas, Coimbra, Universidade de Coimbra, 2017: 245-312.

Monteiro, Nuno Gonçalo, D. José na sombra de Pombal, Lisboa, Círculo de Leitores, 2006.

Observações secretíssimas do Marquês de Pombal, Sebastião José de Carvalho e Melo, na ocasião da inauguração da Estátua Eqüestre no dia 6 de junho de 1775, e entregues por ele mesmo oito dias depois ao senhor rei D. José I, em Sebastião José de Carvalho e Melo, Memórias secretíssimas do marquês de Pombal e outros escritos, Mem Martins, Publicações Europa-América, s/d: 245-252.

Ordenações Filipinas, Livro V [Edição organizada por Sílvia Hunold Lara], São Paulo, Companhia das Letras, 1999.

Pinto, Irineu Ferreira, Datas e notas para a história da Paraíba, João Pessoa, Editora Universitária da UFPB, 1977.

Ramírez Velázquez, Blanca Rebeca e López Levi, Liliana, Espacio, paisaje, región, territorio y lugar: la diversidad en el pensamiento contemporâneo. México/Xochimilco, UNAM/Instituto de Geografía/UAM, 2015.

Revel, Jacques, «Conhecimento do território, produção do território: França, séculos XIII-XIX», em Jacques Revel, A invenção da sociedade, Lisboa, Difel, s/d: 101-158.

Rodrigues, José Damião, «‘Para o socego e tranquilidade publica das Ilhas’: fundamentos, ambição e limites das reformas pombalinas nos Açores», Tempo, 11-21 (2006): 144-170. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-77042006000200010

Rodrigues, José Damião, «Horizontes de reformas e Luzes: uma leitura historiográfica a partir da América portuguesa», em Scarlett O’Phelan Godoy e Margarita Eva Rodríguez García (coords.), El ocaso del Antiguo Régimen en los impérios ibéricos, Lima, Pontificia Universidad Catolica del Perú/CHAM, 2017: 167-186.

Santos, Antonio Cesar de Almeida. Para viverem juntos em povoações bem estabelecidas: um estudo sobre a política urbanística pombalina, Tese de Doutorado em História, Curitiba, Universidade Federal do Paraná, 1999.

Santos, Antonio Cesar de Almeida, «Vadios e política de povoamento na América portuguesa, na segunda metade do século XVIII», Estudos IberoAmericanos, 27-2 (2001): 7-30. http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2001.2.24432

Santos, Antonio Cesar de Almeida, «Aritmética política e a administração do estado português na segunda metade do século XVIII», em Andréa Doré e Antonio Cesar de Almeida Santos (orgs.), Temas setecentistas: governos e populações no Império português, Curitiba, UFPR/Fundação Araucária, 2009: 143-152.

Santos, Antonio Cesar de Almeida, «Aritmética política e governo no reinado de D. José I (1750-1777) », Anais do VI Congresso Internacional de História, 2013: Disponível em: http://www.cih.uem.br/anais/2013/index.php?l=trabalhos&id=132 [consultado em 13 de outubro de 2013].

Santos, Antonio Cesar de Almeida, «Instruções de governo e práticas ilustradas na América Portuguesa», em Antonio Cesar de Almeida Santos (org.), Ilustração, cultura escrita e práticas culturais e educativas, Ponta Grossa (PR), Estúdio Texto, 2016: 37-54.

Silva, Antonio Delgado da, Collecção da Legislação Portuguesa ... de 1750 a 1762, Lisboa, Typografia Maigrense, 1830.

Silva, Antonio Moraes, Diccionario da lingua portugueza - recompilado dos vocabulários impressos até agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado, Lisboa, Typographia Lacerdina, 1813.

Stumpf, Roberta Giannubilo, «A capitania de Minas Gerais e as fontes demográficas (1776-1821)», Revista Brasileira de Estudos de População, 34-3 (2017): 529-548. http://dx.doi.org/10.20947/S0102-3098a0029

Uría, Jorge, «Espacios, lugares, territórios: los escenarios de la acción social», em Santiago Castillo e Montserrat Duch (coords.), Sociabilidades en la Historia, Madrid, Catarata, 2015: 59-90.

Wagner, Ana Paula, População no Império Português: recenseamentos na África Oriental Portuguesa na segunda metade do século XVIII, Tese de Doutorado em História, Curitiba, Universidade Federal do Paraná, 2009.

Zancheti, Sílvio Mendes, «A cidade e o Estado no Brasil colonial: colocações para um debate», Espaço & Debates, 19 (1986): 5-29.




DOI: https://doi.org/10.14198/RHM2018.36.11





Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.